Entenda como funcionam os diferentes tipos de inspeção de equipamentos

Publicado por redator em

No setor industrial, é de extrema importância a instalação de sistemas de inspeção de equipamentos. A inspeção é um procedimento simples que visa proporcionar uma checagem preventiva do maquinário da empresa. Apesar da simplicidade é um sistema indispensável em qualquer setor, devido ao fato de garantir qualidade em todos os processos realizados pelos equipamentos em questão.

A importância da inspeção de equipamentos

A inspeção de equipamentos industriais feita com observações detalhadas auxilia na produtividade, assegura a eficiência do trabalho, aumenta a vida útil do maquinário e, principalmente, garante a segurança das operações – uma vez que antecipa, e evita possíveis acidentes.

O processo de soldagem trata-se de unir, de forma permanente, as extremidades de determinado material, principalmente os metais. A solda, como se chama o trabalho concluído, é utilizada para a fabricação ou recuperação de peças, equipamentos e estruturas. Há vários tipos de formas de soldagem: por pressão, por fusão, por arco elétrico, com eletrodo consumível, com proteção gasosa, com proteção por revestimento e sem proteção gasosa. E há três tipos de máquinas para esse processo: transformadores, retificadores e geradores. Após o processo de soldagem, é importante realizar a inspeção de equipamentos nestes.

Os suprimentos básicos para a soldagem são: um ferro para solda (que se aquece a uma temperatura específica através da eletricidade); uma liga de alumínio e chumbo, e o fluxo (uma resina de limpeza que remove todos os óxidos das superfícies metálicas a serem soldadas para garantir que não haja interferência no procedimento de ligação molecular). Com as extremidades metálicas para o processo de soldagem, os passos são:

  • Limpar as suas superfícies com lixa ou lã de aço;
  • Em seguida, é feita a fusão do fluxo para as partes;
  • As peças são aquecidas acima do ponto de fusão da solda, mas abaixo do seu próprio ponto de fusão máximo;
  • Quando o equipamento toca uma das extremidades, este aquecimento precisa fazer com que a solda atinja sua maior temperatura para que ocorra, assim, uma ligação química;
  • A solda não deve ter gotejamento e sim espalhamento suave, revestindo toda a junta;
  • Quando esfria, tem-se uma conexão soldada com robustez e segurança.

Para averiguar essa segurança na soldagem, existe o procedimento de inspeção de solda

Essa inspeção de solda consiste em averiguar não só qualidade de operação da máquina, mas também a capacidade e a precisão do serviço – uma vez que a soldagem visa ser uma operação permanente. O responsável por essa fiscalização é o inspetor de solda – que tem que dispor de qualificação nível técnico para o cargo. Tem responsabilidades, como: a inspeção de consumíveis, o acompanhamento da soldagem, a medição da dureza por aparelhos portáteis, a verificação da calibração dos instrumentos de medição e a qualificação dos profissionais envolvidos na obra.

Pode, então, averiguar um consumível defeituoso antes de sua utilização, evitando problemas, assegurar que a soldagem é feita dentro dos parâmetros estipulados e qualificar o uso do procedimento e dos funcionários a fim poupar tempo e custo da empresa com retrabalhos. Atua, em sua maioria, nos segmentos da metalúrgica e construção civil e na indústria, de forma geral.

A caldeira também é um importante equipamento da indústria. Trata-se de uma máquina destinada à produção e à acumulação de vapor sob pressão superior à pressão atmosférica com o objetivo de ser uma fonte de energia. É como um enorme tanque fechado, onde o líquido é aquecido formando esse fluido vaporizado, que tem como combustíveis, mais comuns, a lenha, o carvão, o óleo e o gás. O vaso de pressão, reservatório que cumpre a função básica de armazenamento, é normalmente feito de aço ou ferro fundido.

É um maquinário que lida com o alto risco e perigo. Por isso a inspeção de caldeiras também é um dos sistemas indispensáveis dentro do âmbito industrial. Essa inspeção auxilia na detecção de riscos e, consequentemente, redução nos números de acidente de trabalho (e doenças ocupacionais) e diminuição dos danos ao patrimônio empresarial.

Para tanto, o responsável por essa fiscalização deve ser estar alinhado à NR 13 – norma regulamentadora exigida pelo Ministério do Trabalho com o objetivo de estabelecer requisitos quanto à instalação, inspeção, operação e manutenção.

Dentro do quesito de inspeção, classifica a inspeção de caldeiras e vasos de pressão como:

  • Inspeção inicial: em caldeiras novas, antes de sua entrada em operação, visa a detecção e a eliminação dos riscos já em seu início;
  • Inspeção Periódica: é realizada anualmente em períodos preestabelecidos, compreendendo exame interno e externo;
  • Inspeção Extraordinária: sempre que a caldeira for danificada por acidente ou outra ocorrência capaz de comprometer a segurança, submetida à alteração ou reparo importante, recolocada em funcionamento (após mais de 6 meses de inatividade) e quando houver mudança de local de instalação da caldeira.
  • Inspeção de integridade: no máximo, ao completar 25 anos de uso devem ser submetidas a uma avaliação com maior abrangência para determinar a sua vida útil e novos prazos máximos para inspeção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *