O que é pool de liquidez no setor de Finanças Descentralizadas?

Publicado por redator em

As finanças descentralizadas (DeFi) revolucionaram o mercado de criptomoedas. Elas permitem que usuários possam rentabilizar seus recursos, bem como ter acesso a serviços financeiros sem depender de bancos.

Um investimento popular nas DeFi são os pools de liquidez, também conhecidos como liquidity pools. Os pools garantem que os protocolos DeFi funcionem como o planejado, além de dar liquidez às negociações dos tokens. Em troca, eles remuneram os usuários. 

Pois bem, saiba como essa estrutura funciona e quais as suas vantagens.

Trocando liquidez por rendimentos

Os pools de liquidez, como o nome já diz, servem para:

  • Dar liquidez ao mercado de DeFi;
  • Permitir que os tokens sejam negociados com mais agilidade;
  • Mais facilidade em ações;
  • Entre outros.

Como as DeFi são descentralizadas, seus protocolos não possuem ordens de compras como as exchanges tradicionais. Dessa forma, é preciso que essa liquidez parta dos próprios usuários, que deixam seus tokens parados. 

Esses tokens servirão como lastro para garantir o funcionamento das negociações. Todavia, deixar os tokens parados não é algo vantajoso para o investidor. Afinal, e se ele precisar vender os tokens em uma emergência? 

Nesse caso, ou o protocolo poderia perder liquidez, ou o investidor não poderia vender seus tokens. Por isso, os pools de liquidez oferecem o pagamento de juros como incentivo. Eles ofertam o pagamento de juros em troca dos tokens bloqueados. 

Estas recompensas, por sua vez, são pagas através do dinheiro que os protocolos obtêm com as taxas das transações. Os pools de liquidez normalmente são geridos pelas exchanges descentralizadas (DEX). 

Por meio desses pools, a DEX consegue capital para negociar os tokens que estão listados nela. Quem oferece os tokens para as DEX é chamado de provedor de liquidez.

Funcionamento dos pools de liquidez

De maneira geral, um pool de liquidez funciona através de pares de negociação. Por exemplo, um pool que negocia o par USDT e Ether (USDT/ETH) permite a compra de USDT em troca de ETH, e vice-versa. 

Para que essa negociação ocorra, o pool necessita ter liquidez nas duas criptomoedas. É aqui que entram em cena os provedores de liquidez. Quem desejar fornecer liquidez a esses pools deve colocar a mesma quantidade de fundos para cada criptomoeda. 

Assim, no par USDT/ETH, o provedor de liquidez que depositar R$ 100 em ETH precisará depositar mais R$ 100 em DAI.

Em seguida, este usuário recebe um token, conhecido como token de pool, que representa o par no qual ele proveu liquidez. Nesse sentido, o usuário do exemplo acima ganha um token USDTETH, que representa o par USDT/ETH.

Com esse token, o provedor de liquidez garante sua parte na distribuição das taxas de negociação. Dessa forma, imagine que a DEX cobre 0,5% nas taxas de negociação do par USDT/ETH, e que os R$ 100 reais do provedor correspondam a 10% da liquidez total do pool.

Agora, imagine que este pool arrecadou, no par acima, R$ 100.000 em taxas totais. Portanto, 0,5% de R$ 100.000 correspondem a R$ 500. Logo, o provedor dos R$ 100 receberá 10% deste valor, ou seja, R$ 50,00, como recompensa por ter provido liquidez para as negociações.

Os depósitos são feitos por meio do endereço que compõe o contrato inteligente. Trata-se de uma distribuição automática realizada por cada protocolo. O provedor de liquidez pode decidir se quer sacar o dinheiro ou se deseja colocá-lo como liquidez, aumentando o capital investido.

Vantagens dos pools de liquidez

A primeira vantagem dos pools de liquidez é justamente garantir que as negociações ocorram. 

Como as DEX e os demais protocolos DeFi não armazenam fundos dos usuários, elas dependem de liquidez externa. Quanto maior a liquidez de um pool, menor a chance de que haja problemas como manipulação de mercado, por exemplo.

Os pools, assim como a mineração via Prova de Aposta (PoS), também possibilitam geração de renda passiva. 

Com isso os provedores que investem para o longo prazo conseguem obter retornos bastante satisfatórios, por vezes superiores aos de aplicações do mercado tradicional.

Em contrapartida, é preciso tomar cuidado com a segurança dos protocolos, que podem estar sujeitos a ataques hackers com frequência. Portanto, é preciso verificar quais protocolos oferecem o maior grau de segurança para um investimento de longo prazo.

Texto: Gustavo Marques

Categorias: Investimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *