A obrigatoriedade dos EPIs nas empresas

Publicado por redator em

O Ministério do Trabalho é o órgão responsável por expedir leis e sanções que visem a proteção dos funcionários em seus locais de trabalho, ou seja, nas empresas em geral.

Neste sentido, existe uma série de normas que devem ser seguidas, sendo que o não cumprimento pode acarretar em multas para o empregador e até o fechamento de sua sede, mas o mais importante nisso tudo é a saúde dos colaboradores.

Por isso, é possível citar algumas dessas regras como a NR 12. Essa norma refere-se a trabalhos com máquinas pesadas, então diz que todas devem estar em perfeito estado e passar por manutenções periódicas a fim de não causar acidentes gerando possíveis riscos de vida para os funcionários.

Há também a NR 35, neste caso entra em questão o trabalho em altura e como deve ser realizado. Considera-se então trabalho em altura toda atividade exercida em nível acima dos dois metros, e automaticamente se faz indispensável o uso de equipamentos adequados para proteger os colaboradores.

Por fim, a NR 6 é a regra que faz obrigatório o uso dos EPIs, os acessórios que garantem a proteção de cada pessoa individualmente em operações consideradas perigosas.

Falando nisso, são classificadas como de risco aquelas que envolvem estar a muitos metros do chão, como já foi citado.

Mas também quando há contato com sons excessivos, como é o caso de muitas indústrias, na usinagem, processo de solda e outras que possam gerar resíduos capazes de afetar os olhos, ouvidos, etc.

Alguns equipamentos de proteção individual

Como já falamos sobre os trabalhos em altura, vamos tratar então, em primeiro lugar, dos equipamentos para trabalho em altura na construção, reforma e limpeza de prédios, locais onde se faz necessário o uso de máquinas para alcançar tais áreas.

Assim existem equipamentos que podem ser compradas ou alugadas para esse trabalho, como as plataformas elevatórias e guindastes.

Também é possível montar estruturas como os próprios andaimes, bastante conhecidos, nas parte de fora do local. Não para por ai, tem ainda a linha de vida que faz muito sucesso e apresenta total segurança, contanto que seja instalada de maneira correta.

Este equipamento necessita de cordas, pontos de ancoragem e os guinchos, que são colocados na parede de maneira que sejam resistentes e fiquem bem fixos.

Já a corda vai servir para prender na ancoragem e no cinto de segurança do colaborador, mantendo-o livre de quedas. Atualmente existem muitos modelos de cintos, sendo que cada um atende uma situação, por isso para saber o que melhor se encaixa é possível consultar empresas especialistas.

Outro item indispensável para situações que envolvam gases, componentes químicos ou qualquer outras situações em que a respiração fica comprometida, é a /máscara autônoma.

Em geral, os bombeiros são os que mais fazem seu uso, mas setores industriais de diversos segmentos também podem se apropriar desse acessório. Para finalizar, há ainda uma lista de EPIs bastante diversificada, na qual podemos citar:

  • Capacetes;
  • Óculos de proteção;
  • Protetores auditivos;
  • Vestimentas feitas com material especial;
  • Entre outros variados itens.

A melhor maneira de ter a segurança do trabalho bem-feita

Os órgãos responsáveis estipulam também que as questões voltadas a segurança do trabalho devem ficar a cargo da empresa que contrata os funcionários, por isso ela deve fornecer todos os EPIs e ter também uma estrutura completa montada para que seus trabalhos sejam seguros.

Contudo, as indústrias e corporações já têm muitas questões para lidar e a saída ideal é acionar uma terceirizada.

A consultoria em saúde e segurança do trabalho consiste em prestar todos os esclarecimentos referentes às leis vigentes e garantir que todas estão sendo seguidas, realizar estratégias de melhorias, adquirir e distribuir os equipamentos necessários, zelando pela saúde física dos colaboradores.

Além de lidar com questões psicológicas e prestar atendimento completo e especializado para todos.

No mais, as empresas de consultoria estão aptas ainda para a realização do famoso exame admissional, para se certificar se o funcionário está capacitado para suas funções.

Elas vão avaliar todos os quesitos físicos e emocionais, além de fazer também o exame demissional, para ver se houve mudanças no quadro do paciente ou se durante o trabalho ele adquiriu algum problema de saúde derivado de suas funções.

Ou seja, contratar esse tipo de empresa só gera vantagens para a contratante.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *